Entrevista “Essa visão do trólebus como ‘patinho feio’ do transporte elétrico não corresponde mais à realidade

Iêda de Oliveira é diretora e coordenadora do Grupo de Veículos Pesados da Associação Brasileira do Veículo Elétrico. (ABVE) e diretora executiva da Eletra, fabricante nacional de ônibus elétricos e híbridos e fornecedora de soluções de retrofit – conversão de veículos a diesel em veículos de baixa emissão de poluentes.

Technibus – Além dos ônibus, quais são os outros tipos de veículos pesados elétricos? Em linhas gerais, como tem avançado esse segmento?

Iêda de Oliveira – Além dos ônibus, temos os caminhões. São operações em que os elétricos agregam benefícios diversos, além, é claro, do ganho ambiental.Para o ambiente urbano, ônibus e caminhões elétricos diminuem a poluição e contribuem para reduzir o ruído do meio ambiente. Para motoristas e passageiros, trazem mais conforto e segurança. E para os operadores, apresentam menos custos de manutenção, mais economia de combustível e maior disponibilidade operacional das frotas.A economia mais evidente dos veículos pesados é a relação do custo do combustível por quilômetro rodado. O custo da energia necessária à operação de um veículo pesado elétrico chega a ser 70% inferior ao de um similar a diesel.

Technibus – No Brasil, ainda não houve um projeto envolvendo a introdução de um número maior de ônibus elétricos, como assistimos em Santiago, Bogotá e Medellín. Quais são os fatores que fazem governantes, autoridades de transporte e operadores brasileiros tão reticentes?

 Iêda de Oliveira – Na cidade de São Paulo já existe uma lei que prevê zerar as emissões nos ônibus urbanos. O prazo é um corte de 50% até 2027 e de 100% até 2037 (de CO²). As dificuldades passam por falta de políticas de incentivo e financiamento. Não basta dar prazos, tem que dar as condições para a mudança. O Brasil tem dificuldade em planejar, estabelecer um cronograma de ações e monitorar. Desta forma, as ações pontuais do tipo “vamos fazer”, por mais bem intencionadas que sejam, não avançam, pois é necessário pensar em como fazer. Os obstáculos principais são os seguintes: poucas políticas de incentivo (redução de tributos, compras de frotas públicas, mapeamento da cadeia produtiva), falta de financiamento da produção nacional e falta de apoio financeiro ao possível cliente final (prazos e taxas atrativos, por exemplo).

Leia a entrevista completa: clique aqui

Brasil ruma para a eletrificação completa dos veículos de carga
PREVIOUS POST
SPTrans assina carta de intenções com instituto internacional para criar um roteiro de adoção de ônibus elétricos
NEXT POST

Deja una respuesta

Your email address will not be published. Required fields are marked *