Híbrido Eletra: versatilidade e eficiência

O ônibus Híbrido Eletra é um veículo que se movimenta por meio de um motor elétrico com duas fontes de energia: um conjunto motor-gerador a diesel e um grupo de baterias.

O sistema de tração é semelhante ao de um trólebus comum. A diferença é que, em vez de buscar eletricidade na rede externa, ele gera a sua própria energia a bordo.

O motor elétrico é o responsável pela tração nas rodas, e o conjunto motor-gerador gera a energia necessária para pôr o veículo em movimento.

O motor-gerador pode funcionar também a álcool, gás ou gasolina.

Ele opera em condição estacionária, e sua função é apenas gerar a energia necessária para tirar o veículo da inércia. A partir daí, cabe ao motor elétrico movimentá-lo.

BAIXA POLUIÇÃO

Quando é dada a partida, o motor diesel começa operar em rotação constante, e assim permanece até o desligamento.

Como não há acelerações, a emissão de gases poluentes na atmosfera é mínima: apenas 10% da descarga de um motor diesel convencional.

Com o veículo em movimento, o motor elétrico recebe energia tanto do conjunto motor-gerador quanto do conjunto de baterias.

Quando o veículo para, para entrada ou saída de passageiros, o motor-gerador recarrega as baterias.

Juntamente com  o conjunto motor diesel-gerador, as baterias armazenam e fornecem energia para o motor elétrico. Por isso, o ônibus é chamado de híbrido.

Esta configuração permite usar um motor diesel muito menor – de 80 hp, no caso de um híbrido de 12 m. Um ônibus convencional do mesmo tamanho precisaria de 210 hp.

VANTAGENS

  • Todo o gerenciamento é eletrônico, garantindo perfeita sincronia ao sistema.
  • O veículo não tem câmbio, a frenagem é elétrica, o motor opera em condição ideal, a aceleração é controlada.
  • O gerenciamento eletrônico reduz os custos de operação e manutenção.
  • A redução no consumo de combustível pode chegar a 20%.
  • A menor potência e a rotação constante do motor diesel reduzem em até 90% o material particulado jogado na atmosfera, em relação a um ônibus convencional.
  • A vida útil de um híbrido é semelhante à de um trólebus: 20 anos. Vale lembrar que em São Paulo alguns trólebus operaram por até 45 anos.
  • A aceleração controlada eletronicamente evita trancos; o passageiro viaja com mais conforto.
  • O motor diesel é isolado acusticamente na traseira; o ruído interno e externo pode ser 20 decibéis mais baixo.