Fernando de Noronha dá exemplo e proíbe veículos a combustão até 2030

O governo de Pernambuco deu um exemplo de política pública pró-eletromobilidade ao sancionar uma lei que, até 2030, proibirá o trânsito de veículos a combustão na ilha de Fernando de Noronha.

A Lei Noronha Carbono Zero (16.810/2020), torna-se assim a primeira legislação a abolir os combustíveis fósseis numa região determinada do país – no caso, um dos mais belos santuários ecológicos do litoral brasileiro.

Ela foi divulgada no dia 7 de janeiro pelo governador Paulo Câmara, e tem apenas três artigos.

No primeiro, proíbe a entrada de veículos com motores a combustão (diesel, gasolina e até álcool) em Fernando de Noronha a partir de 10 de agosto de 2022.

No segundo, proíbe a circulação de qualquer veículo movido a combustível fóssil na ilha a partir de 10 de agosto de 2030.

Isto significa que os atuais proprietários de veículos a combustão – inclusive buggies de aluguel para turismo –  terão de substituí-los ou convertê-los a veículos elétricos de baixa emissão até 2030.

O terceiro artigo esclarece que a lei não vale para barcos, tratores, aeronaves, guindastes e veículos de pavimentação de vias ou de operações aeroportuárias.

POLÊMICA

A lei provocou debates na Assembleia de Pernambuco, com alguns deputados dizendo que ela obrigará os atuais donos de carros a combustão a se desfazer de seus veículos e comprar similares elétricos, que são mais caros.

O governo de Pernambuco argumenta que a abolição dos combustíveis fósseis contribuirá para assegurar a qualidade ambiental da ilha.

Num depoimento em novembro à Comissão de Meio Ambiente da Assembleia, o administrador-geral de Fernando de Noronha, Guilherme Rocha, procurou tranquilizar os proprietários de veículos convencionais.

Disse que a troca dos carros a combustão por elétricos será gradativa e terá incentivos.

Citou alguns:

1-Até 2030, o governo instalará nove postos de recarga elétrica gratuita de veículos à base de energia solar em Fernando de Noronha. 

2-Também oferecerá frete grátis do continente até a ilha para quem optar por usar um veículo elétrico.

O governo, aliás, acaba de anuncia uma lista com 130 «autorizações ecológicas» (100 para pessoas físicas e 30 para jurídicas) permitindo o «frete social», ou seja, o transporte grátis de veículos elétricos até a ilha.

O administrador de Noronha lembrou ainda que, embora mais caro na hora da compra, o veículo elétrico é muito mais econômico a longo prazo.

 “Esse tipo de veículo consome menos do que um chuveiro elétrico e quem o usa para trabalhar, como os taxistas, terá uma economia espetacular. Em média, eles têm um gasto de R$ 3,5 mil de combustível por mês e, a partir do uso da energia, teriam uma despesa de cerca de R$ 50” – disse Guilherme Rocha.

O governo também anunciou um programa de plástico zero em Noronha. 

Uber e Hyundai Motor fazem parceria para compartilhamento de viagens aéreas
PREVIOUS POST
Hyundai Motor apresenta solução de mobilidade inteligente para vitalizar cidades futuras
NEXT POST

Deja un comentario

Your email address will not be published. Required fields are marked *