Campinas lança licitação e terá só ônibus elétrico no centro

A Prefeitura de Campinas lançou nesta quarta (21/3) a nova licitação do transporte público municipal, prevendo criar, até o final de 2018, uma Área Branca livre de combustíveis fósseis no centro.

O edital com as regras dos futuros contratos será divulgado em maio, e dará início à troca de parte da frota de ônibus a diesel por veículos elétricos ou híbridos.

A licitação foi lançada oficialmente pelo secretário de Transportes Carlos Barreira, em audiência pública no Paço Municipal (íntegra).

A Área Branca terá 3 km² e 7 km de perímetro. Estará aberta apenas a ônibus elétricos e híbridos. Carros a gasolina terão restrições de circulação.

As futuras linhas de corredores exclusivos (Bus Rapid Transit-BRT) também serão operadas por veículos não poluentes.

O secretário espera assinar os primeiros contratos com as empresas de ônibus a partir de agosto.

Carlos Barreira, secretário de Transportes

A Prefeitura decidiu antecipar o fim dos atuais contratos assinados em 2006 e que vigorariam até 2021.

As restrições apresentadas recentemente pelo Tribunal de Contas do Estado à licitação anterior apressaram a decisão do prefeito Jonas Donizette de mudar os contratos.

Campinas é a segunda grande cidade do Brasil – depois de São Paulo – a lançar uma licitação prevendo ônibus elétricos e híbridos.

Hoje, a atual frota operacional é de 1.070 ônibus, que circulam em 205 linhas e transportam 14 milhões passageiros/mês, ou 610 mil/dia, em 22 mil viagens/dia.

A cidade já tem 13 ônibus e três táxis elétricos, além de dez eletropostos instalados em vias de grande movimento e num shopping.

IPK

O prazo dos futuros contratos será de 15 anos. O critério de contratação será o menor preço ou a maior outorga, ou uma composição de ambos os modelos.

Um dos objetivos da licitação, disse Barreira, é reduzir o custo do transporte. A cidade tem 800 km² e um IPK (Índice de Passageiro por Km) de 1,5.

“É um IPK muito baixo, e isso faz com que nosso sistema seja mais caro. Queremos um sistema que atraia os passageiros, com tarifa adequada, ônibus limpos, que chegam no horário”.

Hoje, cinco empresas operam as quatro áreas do transporte coletivo municipal:

Área 1-Azul Claro: VB Transportes;
Área 2-Vermelha: Consórcio Concicamp (Itajaí e Expresso Campibus);
Área 3-Verde: Consórcio Urbcamp (VB Transportes e Coletivos Pádova);
Área 4- Azul Escuro: Onicamp Transportes.

Campinas tem a terceira maior economia do Estado e a 11ª do país, com PIB municipal de R$ 56,4 bilhões (IBGE/dezembro de 2017-Dados de 2015).

CARACTERÍSTICAS

A licitação dos ônibus prevê:

-Veículos não poluentes no centro e nos corredores exclusivos;
-Tecnologia embarcada (Automatic Vehicle Location-AVL);
-BRTs com percursos em desnível (acima ou abaixo do nível da rua nos cruzamentos importantes);
-Contratos serão assinados com Sociedades de Propósito Específico (SPE);
-Bilhetagem eletrônica administrada pelas concessionárias;
-Terminais serão concedidos;
-Meta de 100% de bilhetagem desembarcada (sem cobradores ou validadores nos ônibus);
-Divisão da cidade em seis áreas (hoje, são quatro), mais a Área Branca no centro;
-Indicadores para controle de poluentes da frota;
-Tarifa única, independentemente do percurso;
-Remuneração pelo custo do sistema e por indicadores de qualidade;
-Reajustes anuais, com possibilidade de revisão a cada três anos;
-Wi-fi e ar condicionado nas linhas “troncalizadas” e em algumas “alimentadoras”, mas não em toda a frota;
-Não haverá suporte para bicicletas nos ônibus e BRTs; só nos terminais;
-Monitoramento do comportamento dos motoristas, com câmeras.

Eletra na mídia: Iêda de Oliveira fala ao vivo no ‘ABC Repórter’
PREVIOUS POST
São Paulo dará «um salto» para o transporte elétrico, diz Doria
NEXT POST
  1. Edson Hilário Freitas says:

    Eu tendo a não acreditar neste tipo de projeto porque o preço da energia elétrica é cara entre nós. Poderíamos ter várias linhas de ônibus elétricos integrados a várias estações do metrô. Seria a integração ônibus elétrico – metrô;cheguei a defender esta ideia durante o governo Montoro e o preço da energia elétrica provocou a volta ao diesel. Talvez a energia solar obtida em vários pontos da metrópole possa viabilizar este tipo de projeto.

Deja una respuesta

Your email address will not be published. Required fields are marked *