Estradas solares pavimentam a mobilidade elétrica do futuro

No mundo emergente da mobilidade sustentável, as ideias não param de brotar. Uma das mais engenhosas são as estradas, ruas e avenidas solares.

Na França, Estados Unidos, China e outros países, projetos de vias equipadas com painéis fotovoltaicos poderão abastecer veículos elétricos, em recargas sem fio, e até bairros inteiros.

FRANÇA

A França saiu na frente há exatamente um ano, ao inaugurar a primeira estrada solar do mundo na Normandia, no dia 22 de dezembro de 2016 (foto acima).

A Wattway, na cidadezinha de Tourouvre-au-Perche, tem extensão de 1 km, recoberto por 2.400 m² de painéis solares, ao custo de 5 milhões de euros (R$ 19,8 milhões).

As placas fotovoltaicas foram desenvolvidas pela empresa Colas, uma divisão do grupo francês de telecomunicações Bouygues.

São revestidas de uma resina contendo lâminas de silício e têm aderência similar ao asfalto. Segundo o fabricante, podem resistir ao calor, à chuva e à neve.

O trecho solar corre em paralelo à faixa de asfalto comum e será testado por dois anos, com tráfego estimado de dois mil veículos/dia.

O objetivo inicial não é exatamente recarregar veículos elétricos, e sim gerar energia para a iluminação pública da pequena cidade de 3.400 habitantes.

Na inauguração, a então ministra da Ecologia, Ségolène Royal, anunciou os planos do governo de construir 1 mil km de estradas solares nos próximos cinco anos.

O projeto da Colas prevê abastecer 5 mil habitantes a cada quilômetro de estrada solar, em toda a França.

Estrada solar de 2 km em construção em Jinan, China: concreto transparente

CHINA

A China também partiu para as estradas fotovoltaicas, mas com uma tecnologia diferente da francesa.

A cidade de Jinan, capital da província de Shandong, está terminando a construção de uma rodovia de 2 km com painéis solares recobertos por um tipo de concreto transparente.

A tecnologia empregada protege os painéis e permite a recarga sem fio dos veículos elétricos, enquanto rodam sobre o piso.

O pavimento tem três camadas: o concreto, os painéis solares, logo abaixo, e uma base de contato com o solo. Foi projetado para suportar o peso de automóveis e caminhões leves.

A estrada solar de Jinan foi precedida por uma experiência-piloto numa rua de pouco movimento da cidade, inaugurada em setembro.

Ciclovia solar em Amsterdã, inaugurada em 2014: energia além da expectativa

HOLANDA

Vários países testam diferentes tipos de superfície a céu aberto. Na Holanda, por exemplo, funciona desde 2014 uma ciclovia solar de 70m.

A Solar Road liga dois bairros de Amsterdã (Krommenie e Wormerveer) e tem um tráfego diário de dois mil ciclistas, a maioria estudantes.

A experiência superou a expectativa do TNO (instituto holandês de pesquisa aplicada), idealizador do projeto.

Em apenas seis meses, os 70m da Solar Road produziram mais de 3 mil kw/h, capazes de garantir energia a uma pequena casa por um ano, segundo o instituto.

ESTADOS UNIDOS

Em 2014, um casal de engenheiros da cidade de Sandpoint, no estado de Idaho, a noroeste dos Estados Unidos, lançou uma campanha de levantamento de fundos na internet para financiar projetos de painéis solares.

Julie e Scott Brusaw, fundadores da Solar Roadways, publicaram um divertido vídeo no YouTube, que rapidamente viralizou (ver abaixo).

Poucos meses depois, eles já tinham arrecadado US$ 2,2 milhões (R$ 6,7 milhões).

Seus planos incluem revestir qualquer tipo superfície ensolarada com suas placas fotovoltaicas «inteligentes» em formato hexagonal – incluindo áreas de estacionamento, parques, pistas de aeroportos e quadras de basquete.

As placas não se limitam a captar energia. Elas também podem transmitem informações e alertas luminosos aos usuários e reconfigurar as sinalizações de trânsito.

Em março de 2017, Julie e Scott firmaram uma joint venture com o governo do estado do Missouri, que pode fazer da lendária Route 66 a primeira estrada solar dos Estados Unidos.

Eles dizem que se todas as estradas americanas virassem rodovias solares, elas gerariam três vezes mais eletricidade do que a necessária para movimentar o país, cortando 75% dos gases do efeito estufa.

Veja o vídeo da Solar Roadways (em inglês):

2018 pode ser o ano da mobilidade elétrica no Brasil
PREVIOUS POST
Cidade chinesa entra em 2018 com 100% de ônibus elétricos
NEXT POST

Deja una respuesta

Your email address will not be published. Required fields are marked *