Veja cinco pequenos carros elétricos (não tão) baratos

A onda mundial da mobilidade sustentável levou grandes e pequenas empresas a uma corrida para produzir carros elétricos mais acessíveis aos usuários das cidades.

Todo o esforço dos pesquisadores consiste em projetar veículos minúsculos, à base de materiais econômicos, para compensar os custos ainda altos das baterias.

Veja alguns dos ultracompactos mais baratos – ou nem tanto assim.

Smart ForTwo Elétrico: por enquanto, ainda longe do mercado brasileiro

Smart ForTwo Drive (Mercedes-Benz)

É hoje o minicarro elétrico mais vendido na Europa. Sai por no mínimo 22.500 euros, “apenas” R$ 90.930. Não está sendo vendido no Brasil.

É a versão a bateria do carrinho imortalizado pelo inspetor Clouseau (Steve Martin), no filme “A Pantera Cor-de Rosa-2”, de 2005 (foto no alto).

-Baterias de íon-lítio de 17 KW/h;
-Velocidade máxima de 125 km/h;
-Aceleração de 0 a 100 km/h em 11,5 segundos;
-Autonomia de 145 km;
-Tempo de recarga de 100% em tomada doméstica: 7 horas; com carregador de 400 v e caixa de carga: uma hora;
-Opção de carregador portátil de 22 KW: uma hora;
-Dois lugares.

Baojun E100, fabricado na China. Parecido com o Smart? Imagine…

Baojun E100 (SAIC-GM-Wuling)

É o concorrente chinês do Smart, cuja inspiração no design é mais do que óbvia. Por enquanto, só é vendido naquele país.

Graças aos subsídios do governo, o Baojun pode sair para o consumidor chinês por um preço mínimo de 45.800 yuans, ou R$ 23.670.

Sem subsídios, o modelo mais barato sairia pelo equivalente a R$ 48.800.

Foi produzido pela joint venture formada pela americana General Motors e as chinesas Wuling Motors e Shangai Automotive Industry Corporation (SAIC).

-Baterias de íon-lítio de 29 KW/h;
-Velocidade máxima de 100 km/h;
-Autonomia de 155 km;
-Tempo de recarga de 7,5 horas em tomada doméstica;
-Sistema de frenagem regenerativa;
-Dois lugares.

Microlino: a velha Isetta, agora em versão elétrica ítalo-suíça

Microlino (Micro Mobility-Tazzari)

O suíço Wim Outboter, dono de uma fábrica de patinetes, a Micro Mobility, teve a ideia de ressuscitar a velha Isetta projetada na Itália em 1952.

Ele associou-se à Tazzari italiana, uma fabricante de veículos elétricos de Ímola, e começará a vender em abril um ultracompacto elétrico na faixa de 12.500 euros, equivalentes a R$ 50.360.

Sim, o Microlino é aquele mesmo carrinho de porta única – com abertura para a frente – que, no Brasil, ganhou o nome de Romi-Isetta. Só que em versão elétrica.

-Baterias de íon-lítio em duas versões: 8 KW/h e 14,4 KW/h;
-Velocidade máxima de 90 km/h;
-Aceleração de 0 a 50 km/h em 5 segundos;
-Autonomia de 120 km ou 215 km (dependendo da bateria);
-Tempo de recarga: 4 horas em tomada doméstica de 220 v, ou 1 hora em eletropostos de carga rápida (conector Type 2);
-Dois lugares.

E-Go: um elétrico “popular” projetado por estudantes da Alemanha

E-G0 Life (e-Go Mobile AG/Universidade de Aachen)

Começou como um projeto de pesquisadores e estudantes da Escola Técnica Superior da Universidade de Aachen (oeste da Alemanha) e está virando uma empresa de ultracompactos elétricos, a e-Go Mobile AG.

O professor Güther Schuh deu a ideia e um de seus alunos, o hoje engenheiro Sebastian Luedtke, de 31 anos, a levou adiante.

A fábrica já tem 150 colaboradores e seu foco é preencher a lacuna existente no mercado europeu para um elétrico barato, capaz de concorrer com as grandes montadoras.

Barato para os padrões europeus, bem entendido.

O modelo mais econômico do e-Go Life custará 16 mil euros (R$ 64.160). Ou 12 mil euros (R$ 48.120), com o subsídio de 4 mil euros do governo alemão.

O objetivo imediato é concorrer com o Smart ForTwo, cujo preço mínimo é de 22.500 euros.

-Bateria de íon-lítio da Bosch, com três opções: 14,9 KW/h, 17,9 KW/h e 23 KW/h);
-Velocidade máxima: entre 116 km/h e 160 km/k;
-Aceleração de 0 a 100 km/h: 35 segundos, 12 s e 8,6 s, dependendo da bateria;
-Autonomia na cidade: entre 104 km e 154 km;
-Tempo de recarga em tomada doméstica de 230 v: 6 h, 7,5 h e 9,8 h, dependendo da bateria; em eletroposto com conector Type 2: 3,1 h, 3,6 h, 4,6 h;
-Quatro lugares.

Renault Twizy: o mais barato, mas é classificado como quadriciclo

Renault Twizy

Lançado em 2012, o Twizy é um bom exemplo da conhecida criatividade dos designers da Renault.

Dos ultracompactos elétricos em circulação na Europa, é certamente o mais barato, com preço inicial de 7.690 euros (R$ 30.800).

Mas há um motivo: tecnicamente, o Twizy não é classificado como um automóvel, e sim como quadriciclo elétrico.

Ele tem 2,3 m de comprimento e 1,47 m de altura. É ainda menor do que seus concorrentes diretos, como o Smart e o Zoe (também da Renault), e, diferentemente destes, não pode circular em rodovias.

Tem espaço para duas pessoas (uma na frente e outra atrás…) e não tem janelas. Portanto, sem ar condicionado. As portas abrem para cima.

Na França, o Twizy pode ser conduzido por motoristas acima de 14 anos. Em Portugal, com carteira B1, para quadriciclos (acima de 16 anos).

Não é vendido no Brasil. A montadora francesa aguarda o programa Rota 2030 para definir sua comercialização.

-Bateria de íon-lítio de 6,1 KW/h;
-Velocidade máxima de 80 km/h;
-Autonomia de 100 km;
-Tempo de recarga de 2,5 horas em tomada doméstica de 220 v;
-Dois lugares.

Ônibus elétrico terá preço igual ao de similar a diesel em 2026
PREVIOUS POST
Volks anuncia veículo elétrico acionado por comando de voz
NEXT POST

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *