Licitação dos ônibus de SP divulga concorrentes no dia 23

A concorrência para renovar a frota de ônibus de São Paulo avançará mais um passo no próximo dia 23 de janeiro, com a abertura dos envelopes das empresas que participam do edital.

O atual processo de renovação da frota é o mais importante das últimas décadas, pois pela primeira vez fixou critérios ambientais que exigirão trocar os ônibus a diesel por veículo elétricos ou híbridos.

Os documentos serão divulgados em sessão pública, a partir de 8h, no Instituto de Engenharia de São Paulo (Avenida Dr. Dante Pazzanese, 120, Vila Mariana).

Cronograma de abertura dos envelopes:

9h-Empresas candidatas a operar as linhas do Grupo Estrutural;

12h- Grupo de Articulação Regional;

15h-Grupo Local de Distribuição.

Só os documentos das empresas serão divulgados (Envelopes nº1) – portanto, será possível saber o nome e a composição dos consórcios.

Já as respectivas propostas comerciais (Envelopes nº2) permanecem em segredo.

A Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes SMT) deverá anunciar os vencedores dos três grupos em fevereiro.

LONGA HISTÓRIA

A renovação do transporte público paulistano (14.400 ônibus) é um processo que se arrasta desde 2013.

Nesse ano, venceram os contratos de dez anos entre o Poder Público e as empresas concessionárias assinados em 2003, na gestão da prefeita Martha Suplicy.

Entre 2013 e 2016, as tentativas do prefeito Fernando Haddad de abrir uma nova licitação foram barradas pelo Ministério Público e pelo Tribunal de Contas do Município (TCM).

Quando o prefeito João Doria assumiu o cargo, em 2017, teve de aguardar a Câmara de Vereadores discutir e aprovar um ajuste na Lei 14.933, de 2009, que instituiu a Política de Mudanças do Clima do Município (governo Gilberto Kassab).

Isto porque a lei dava um prazo de dez anos, a partir de 2009, para os ônibus paulistanos a diesel (praticamente toda a frota) serem trocados por veículos de baixa emissão de poluentes (elétricos, híbridos ou trólebus).

O prazo venceria em 2018, mas as metas foram ignoradas na gestão anterior. A Câmara, então, teve de votar um novo projeto para reprogramar o cronograma de troca dos ônibus.

A nova lei foi aprovada em dezembro de 2017 e sancionada pelo prefeito João Doria no dia 17 de janeiro de 2018 (Lei 16. 802).

Ela fixou um prazo de dez anos para a frota de ônibus cortar pela metade suas emissões de gás carbônico (CO²) e de 20 anos para zerar tais emissões, inclusive de material particulado (MP) e óxidos de nitrogênio (NOx).

Ao mesmo tempo, o então secretário de Transportes Sergio Avelleda lançou para consulta pública a primeira versão dos editais para renovar a frota.

A versão definitiva foi divulgada no dia 24 de abril, incorporando as metas ambientais da Lei 16.802 e fixando um rígido cronograma anual de redução de poluentes.

Mas o processo voltou a ser suspenso pelo Tribunal de Contas no dia 8 de junho.

O TCM só liberou o edital no dia 25 de outubro, depois que a Secretaria de Transportes respondeu a uma centena de questionamentos do relator Edson Simões.

Depois que os editais foram reescritos, a licitação foi reiniciada no dia 5 de dezembro. 

Durante todo o impasse (desde 2013), as atuais empresas continuaram operando por meio de contratos emergenciais.

A previsão da SMT é que os novos contratos finalmente sejam assinados no decorrer deste semestre.  

 

 

Eletra lança ônibus elétricos em 2019
ANTERIOR
Justiça barra abertura de envelopes da licitação dos ônibus
PRÓXIMO

Comente

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *