Nova lei evitará 14 milhões de toneladas de CO² no ar de SP

A lei ambiental 16.802/2018 e o futuro edital da Prefeitura sobre o transporte público evitarão que os ônibus da frota municipal despejem até 14,3 milhões de toneladas de gás carbônico (CO²) no ar de São Paulo em 20 anos.

O cálculo foi apresentado por Iêda de Oliveira, executiva da Eletra e vice-presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), num seminário sobre eletromobilidade em São Paulo (foto), no dia 14/3.

Em 2016, segundo a SP Trans, os 14.400 ônibus da frota municipal consumiram 493.771.198 de litros de diesel. Como cada litro despeja 2,671 kg de CO² na atmosfera, chega-se a 1.318.863 toneladas por ano (quadro).

Evolução ano a ano da “economia” de CO² despejado na atmosfera pelos ônibus de São Paulo, conforme cronograma de 20 anos de redução de emissões, previsto na Lei 16.802 e no edital da Prefeitura. Base de cálculo: l litro de diesel= 2,671 kg de CO². Fonte: SP Trans.

Iêda projetou então a evolução do consumo de diesel dos ônibus de São Paulo nos próximos 20 anos e a estimativa de redução ano a ano dos combustíveis fósseis da frota, prevista no edital anunciado pela Prefeitura em dezembro.

Como a lei e o edital preveem redução gradativa de CO², até chegar a 100% no 19º ano dos futuros contratos, haverá uma “economia” de 14,3 milhões de toneladas de gás carbônico despejado na atmosfera ao final daquele período.

REGULAMENTAÇÃO

“Por isso, é muito importante que a lei seja regulamentada o mais cedo possível”, disse Iêda ao secretário de Transportes Sergio Avelleda, também presente ao seminário.

Avelleda respondeu que procurará antecipar a regulamentação da Lei 16.802.

O prazo de seis meses para a regulamentação após a sanção do prefeito João Doria (17/01/18) termina no dia 17 de agosto.

Ela disse que os números mostram a importância da Lei 16.802, aprovada na Câmara Municipal em dezembro, e do edital da Prefeitura, que incorpora as mesmas metas ambientais.

Considerou a lei “histórica” e defendeu que seja regulamentada sem recuos nas metas ambientais. E que os novos contratos previstos no edital sejam assinados ainda este ano.

Avelleda afirmou que a regulamentação também será objeto de audiências públicas, no mesmo “espírito democrático” do debate anterior que precedeu a aprovação da lei.

Quanto à versão final do edital (que estava em consulta pública até o dia 5 de março), Avelleda afirmou que ele será divulgado “na primeira semana de abril”.

Se não houver contestações ao edital, o secretário prevê receber as primeiras propostas das licitação até maio ou junho e assinar os primeiros contratos até agosto.

O seminário sobre eletromobilidade no MobiLab foi promovido pela ABVE e pela Secretaria Municipal de Transportes.

Reuniu 79 empresários da indústria de veículos elétricos, publicitários e especialistas em mobilidade elétrica, numa manhã de palestras e workshop.

O MobiLab fica num prédio da Rua Boa Vista, no centro histórico da cidade, onde funcionava o escritório de trabalho de Ramos de Azevedo (1851-1928), um dos maiores arquitetos de São Paulo.

Confira a apresentação de Iêda de Oliveira:

Iêda de Oliveira (ABVE/Eletra)

Eletra participa de seminário sobre eletromobilidade em SP
PREVIOUS POST
Toyota faz lançamento mundial do Prius elétrico híbrido flex
NEXT POST

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *