Nova lei evitará 14 milhões de toneladas de CO² no ar de SP

A lei ambiental 16.802/2018 e o futuro edital da Prefeitura sobre o transporte público evitarão que os ônibus da frota municipal despejem até 14,3 milhões de toneladas de gás carbônico (CO²) no ar de São Paulo em 20 anos.

O cálculo foi apresentado por Iêda de Oliveira, executiva da Eletra e vice-presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), num seminário sobre eletromobilidade em São Paulo (foto), no dia 14/3.

Em 2016, segundo a SP Trans, os 14.400 ônibus da frota municipal consumiram 493.771.198 de litros de diesel. Como cada litro despeja 2,671 kg de CO² na atmosfera, chega-se a 1.318.863 toneladas por ano (quadro).

Evolução ano a ano da “economia” de CO² despejado na atmosfera pelos ônibus de São Paulo, conforme cronograma de 20 anos de redução de emissões, previsto na Lei 16.802 e no edital da Prefeitura. Base de cálculo: l litro de diesel= 2,671 kg de CO². Fonte: SP Trans.

Iêda projetou então a evolução do consumo de diesel dos ônibus de São Paulo nos próximos 20 anos e a estimativa de redução ano a ano dos combustíveis fósseis da frota, prevista no edital anunciado pela Prefeitura em dezembro.

Como a lei e o edital preveem redução gradativa de CO², até chegar a 100% no 19º ano dos futuros contratos, haverá uma “economia” de 14,3 milhões de toneladas de gás carbônico despejado na atmosfera ao final daquele período.

REGULAMENTAÇÃO

“Por isso, é muito importante que a lei seja regulamentada o mais cedo possível”, disse Iêda ao secretário de Transportes Sergio Avelleda, também presente ao seminário.

Avelleda respondeu que procurará antecipar a regulamentação da Lei 16.802.

O prazo de seis meses para a regulamentação após a sanção do prefeito João Doria (17/01/18) termina no dia 17 de agosto.

Ela disse que os números mostram a importância da Lei 16.802, aprovada na Câmara Municipal em dezembro, e do edital da Prefeitura, que incorpora as mesmas metas ambientais.

Considerou a lei “histórica” e defendeu que seja regulamentada sem recuos nas metas ambientais. E que os novos contratos previstos no edital sejam assinados ainda este ano.

Avelleda afirmou que a regulamentação também será objeto de audiências públicas, no mesmo “espírito democrático” do debate anterior que precedeu a aprovação da lei.

Quanto à versão final do edital (que estava em consulta pública até o dia 5 de março), Avelleda afirmou que ele será divulgado “na primeira semana de abril”.

Se não houver contestações ao edital, o secretário prevê receber as primeiras propostas das licitação até maio ou junho e assinar os primeiros contratos até agosto.

O seminário sobre eletromobilidade no MobiLab foi promovido pela ABVE e pela Secretaria Municipal de Transportes.

Reuniu 79 empresários da indústria de veículos elétricos, publicitários e especialistas em mobilidade elétrica, numa manhã de palestras e workshop.

O MobiLab fica num prédio da Rua Boa Vista, no centro histórico da cidade, onde funcionava o escritório de trabalho de Ramos de Azevedo (1851-1928), um dos maiores arquitetos de São Paulo.

Confira a apresentação de Iêda de Oliveira:

Iêda de Oliveira (ABVE/Eletra)

Eletra participa de seminário sobre eletromobilidade em SP
ANTERIOR
Toyota faz lançamento mundial do Prius elétrico híbrido flex
PRÓXIMO

Comente

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *