Veja cinco pequenos carros elétricos (não tão) baratos

A onda mundial da mobilidade sustentável levou grandes e pequenas empresas a uma corrida para produzir carros elétricos mais acessíveis aos usuários das cidades.

Todo o esforço dos pesquisadores consiste em projetar veículos minúsculos, à base de materiais econômicos, para compensar os custos ainda altos das baterias.

Veja alguns dos ultracompactos mais baratos – ou nem tanto assim.

Smart ForTwo Elétrico: por enquanto, ainda longe do mercado brasileiro

Smart ForTwo Drive (Mercedes-Benz)

É hoje o minicarro elétrico mais vendido na Europa. Sai por no mínimo 22.500 euros, “apenas” R$ 90.930. Não está sendo vendido no Brasil.

É a versão a bateria do carrinho imortalizado pelo inspetor Clouseau (Steve Martin), no filme “A Pantera Cor-de Rosa-2”, de 2005 (foto no alto).

-Baterias de íon-lítio de 17 KW/h;
-Velocidade máxima de 125 km/h;
-Aceleração de 0 a 100 km/h em 11,5 segundos;
-Autonomia de 145 km;
-Tempo de recarga de 100% em tomada doméstica: 7 horas; com carregador de 400 v e caixa de carga: uma hora;
-Opção de carregador portátil de 22 KW: uma hora;
-Dois lugares.

Baojun E100, fabricado na China. Parecido com o Smart? Imagine…

Baojun E100 (SAIC-GM-Wuling)

É o concorrente chinês do Smart, cuja inspiração no design é mais do que óbvia. Por enquanto, só é vendido naquele país.

Graças aos subsídios do governo, o Baojun pode sair para o consumidor chinês por um preço mínimo de 45.800 yuans, ou R$ 23.670.

Sem subsídios, o modelo mais barato sairia pelo equivalente a R$ 48.800.

Foi produzido pela joint venture formada pela americana General Motors e as chinesas Wuling Motors e Shangai Automotive Industry Corporation (SAIC).

-Baterias de íon-lítio de 29 KW/h;
-Velocidade máxima de 100 km/h;
-Autonomia de 155 km;
-Tempo de recarga de 7,5 horas em tomada doméstica;
-Sistema de frenagem regenerativa;
-Dois lugares.

Microlino: a velha Isetta, agora em versão elétrica ítalo-suíça

Microlino (Micro Mobility-Tazzari)

O suíço Wim Outboter, dono de uma fábrica de patinetes, a Micro Mobility, teve a ideia de ressuscitar a velha Isetta projetada na Itália em 1952.

Ele associou-se à Tazzari italiana, uma fabricante de veículos elétricos de Ímola, e começará a vender em abril um ultracompacto elétrico na faixa de 12.500 euros, equivalentes a R$ 50.360.

Sim, o Microlino é aquele mesmo carrinho de porta única – com abertura para a frente – que, no Brasil, ganhou o nome de Romi-Isetta. Só que em versão elétrica.

-Baterias de íon-lítio em duas versões: 8 KW/h e 14,4 KW/h;
-Velocidade máxima de 90 km/h;
-Aceleração de 0 a 50 km/h em 5 segundos;
-Autonomia de 120 km ou 215 km (dependendo da bateria);
-Tempo de recarga: 4 horas em tomada doméstica de 220 v, ou 1 hora em eletropostos de carga rápida (conector Type 2);
-Dois lugares.

E-Go: um elétrico “popular” projetado por estudantes da Alemanha

E-G0 Life (e-Go Mobile AG/Universidade de Aachen)

Começou como um projeto de pesquisadores e estudantes da Escola Técnica Superior da Universidade de Aachen (oeste da Alemanha) e está virando uma empresa de ultracompactos elétricos, a e-Go Mobile AG.

O professor Güther Schuh deu a ideia e um de seus alunos, o hoje engenheiro Sebastian Luedtke, de 31 anos, a levou adiante.

A fábrica já tem 150 colaboradores e seu foco é preencher a lacuna existente no mercado europeu para um elétrico barato, capaz de concorrer com as grandes montadoras.

Barato para os padrões europeus, bem entendido.

O modelo mais econômico do e-Go Life custará 16 mil euros (R$ 64.160). Ou 12 mil euros (R$ 48.120), com o subsídio de 4 mil euros do governo alemão.

O objetivo imediato é concorrer com o Smart ForTwo, cujo preço mínimo é de 22.500 euros.

-Bateria de íon-lítio da Bosch, com três opções: 14,9 KW/h, 17,9 KW/h e 23 KW/h);
-Velocidade máxima: entre 116 km/h e 160 km/k;
-Aceleração de 0 a 100 km/h: 35 segundos, 12 s e 8,6 s, dependendo da bateria;
-Autonomia na cidade: entre 104 km e 154 km;
-Tempo de recarga em tomada doméstica de 230 v: 6 h, 7,5 h e 9,8 h, dependendo da bateria; em eletroposto com conector Type 2: 3,1 h, 3,6 h, 4,6 h;
-Quatro lugares.

Renault Twizy: o mais barato, mas é classificado como quadriciclo

Renault Twizy

Lançado em 2012, o Twizy é um bom exemplo da conhecida criatividade dos designers da Renault.

Dos ultracompactos elétricos em circulação na Europa, é certamente o mais barato, com preço inicial de 7.690 euros (R$ 30.800).

Mas há um motivo: tecnicamente, o Twizy não é classificado como um automóvel, e sim como quadriciclo elétrico.

Ele tem 2,3 m de comprimento e 1,47 m de altura. É ainda menor do que seus concorrentes diretos, como o Smart e o Zoe (também da Renault), e, diferentemente destes, não pode circular em rodovias.

Tem espaço para duas pessoas (uma na frente e outra atrás…) e não tem janelas. Portanto, sem ar condicionado. As portas abrem para cima.

Na França, o Twizy pode ser conduzido por motoristas acima de 14 anos. Em Portugal, com carteira B1, para quadriciclos (acima de 16 anos).

Não é vendido no Brasil. A montadora francesa aguarda o programa Rota 2030 para definir sua comercialização.

-Bateria de íon-lítio de 6,1 KW/h;
-Velocidade máxima de 80 km/h;
-Autonomia de 100 km;
-Tempo de recarga de 2,5 horas em tomada doméstica de 220 v;
-Dois lugares.

Ônibus elétrico terá preço igual ao de similar a diesel em 2026
PREVIOUS POST
Volks anuncia veículo elétrico acionado por comando de voz
NEXT POST
  1. Antônio Carlos Rocha da Silva says:

    Boa Noite
    Existe algum modelo dos ultracompactos sendo vendido.no Brasil?

Deixe uma resposta para Antônio Carlos Rocha da Silva Cancelar resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *