Novos tempos: Ferrari já admite fabricar um esportivo elétrico

16 janeiro 2018
Comentários 0
16 janeiro 2018, Comentários 0

Depois de dizer “não” à onda da mobilidade elétrica durante anos, a Ferrari finalmente cedeu à nova realidade e já admite produzir um veículo esportivo movido a bateria.

O anúncio foi feito nesta segunda (15/01), nos Estados Unidos, por Sergio Marchionne, o principal dirigente da grife italiana de automóveis de luxo.

“Se há um supercarro elétrico a ver construído, então a Ferrari será a primeira”, afirmou, em entrevista no Salão do Automóvel de Detroit.

TUDO MUDOU

Em março de 2016, Marchionne tinha declarado: “você vai ter de atirar em mim primeiro”, ao responder a uma pergunta sobre se tinha planos de produzir um modelo elétrico.

Agora, tudo mudou. O motivo? A americana Tesla e especialmente o Roadster, o superesportivo elétrico que Elon Musk promete para 2020.

Em Detroit, um tanto a contragosto, o executivo (que também é o CEO da Fiat-Chrysler) já aceita a hipótese um veículo elétrico com o lendário logotipo do cavalinho rampante.

“As pessoas estão impressionadas com o que a Tesla fez com um supercarro. Eu não quero minimizar o que o Elon fez, mas isto é factível para todos nós”.

No entanto, não deu qualquer detalhe adicional sobre quando e como a Ferrari elétrica estaria no mercado.

HERESIA

O recuo é um sinal importante da irreversibilidade dos veículos elétricos, que chega até ao mercado de alto luxo.

Depois de uma resistência inicial, BMW e Porsche, concorrentes da Ferrari, também fizeram o mesmo, na tendência de toda a indústria automobilística.

As marcas alemãs já anunciaram para 2019 versões totalmente elétricas de seus modelos i8 Roadster e Mission E.

Trata-se de uma mudança profunda na cultura do automóvel que dominou todo o século 20.

No mundo dos esportivos de luxo, a ideia de um carro autônomo elétrico que prive o motorista do prazer de dirigir e ouvir o ronco do motor em alta velocidade é simplesmente herética.

“Para a Ferrari, é quase um conceito obsceno”, chegou a dizer Marchionne em 2016, no Salão de Genebra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *