Noruega usa renda do petróleo para liderar revolução elétrica

Ao anunciar, no dia 3, que 52% dos veículos vendidos na Noruega em 2017 foram elétricos ou híbridos, a associação empresarial do setor de transporte rodoviário OFV iluminou o modelo que faz do país escandinavo líder mundial em mobilidade renovável.

Com seus 5,2 milhões de habitantes, a Noruega está perto da meta de 100% das vendas de veículos com emissão zero de carbono nos próximos sete anos – até 2025.

O paradoxo norueguês é que a conversão da frota para combustíveis limpos é financiada pelas receitas da poderosa indústria nacional de petróleo e gás, a maior da Europa, com produção de 1,16 milhão de barris/dia em 2016.

Essas receitas permitem ao governo central e às autoridades municipais conceder – há quase 30 anos – um generoso conjunto de incentivos aos veículos elétricos e híbridos (ver abaixo).

FUNDO SOBERANO

Embora provoquem uma renúncia fiscal de 3 bilhões de coroas norueguesas (kr) por ano, equivalentes a R$ 1,2 bilhão, esses incentivos são compensados com folga pelos lucros da exploração de óleo e gás.

A Statoil – a Petrobras norueguesa – é uma das maiores petrolíferas do mundo, com 21 mil funcionários e atuação em mais de 30 países, inclusive no pré-sal brasileiro.

A empresa foi criada em 1972, sob controle do Estado, para explorar as imensas reservas do Mar do Norte e do Mar da Noruega.

Há dois anos, tem sido duramente criticada por entidades ambientalistas, como o Greenpeace, por iniciar a exploração no Mar de Barents, a cerca de 400 km das geleiras do Ártico.

Sabiamente, em 1990 o governo do país criou um fundo soberano para o qual transferiu todas as receitas de petróleo e gás de sua estatal, sob rígidas regras de compliance.

Em setembro de 2017, o fundo soberano tornou-se o segundo maior fundo de investimento do mundo, com ativos no valor de US$ 1 trilhão.

É com essa gigantesca poupança que o governo sustenta os programas sociais e ambientais que, desde 2001, garantem à Noruega a liderança do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da ONU.

Plataforma da Statoil no Mar da Noruega: financiando a transição ao transporte limpo

INCENTIVOS

A Associação Norueguesa do Veículo Elétrico (Norsk Elbilforening) listou os principais incentivos aos veículos de baixa emissão de carbono no país:

-Isenção do imposto sobre a compra de bens não essenciais (Purchase Tax) ) para elétricos/híbridos  – 1990;
-Redução do imposto anual sobre circulação de veículos em rodovias (Road Tax) – 1996;
-Isenção de pagamentos de pedágios nas estradas – 1997;
-Estacionamento livre em todo o país  – 1999 (medida revista em 2017, cabendo a decisão final a cada cidade);
-50% de redução de impostos para a compra de frotas elétricas pelas empresas – 2000;
-Isenção do VAT (equivalente ao ICMS) na compra ou leasing – 2001/2015;
-Circulação liberada nos corredores exclusivos de ônibus – 2003;
-Acesso livre nas balsas – 2009.

O país também criou um sistema de tributação especialmente desenhado para penalizar os veículos a combustíveis fósseis e estimular os elétricos e híbridos.

O imposto sobre a compra (Purchase Tax) é calculado com base numa combinação do peso do veículo, emissões de CO² (gás carbônico) e NOx (óxidos de nitrogênio).

As isenções permitem que o consumidor norueguês adquira um elétrico ou híbrido quase pelo mesmo valor do preço de importação do veículo.

Exemplo 1:

Um e-Golf da Volkswagen (o elétrico/híbrido mais vendido no país em 2017) tem um preço de importação de 259.900 coroas norueguesas (R$ 104.200) e pode ser comprado por kr 262.300 (R$ 105.182).

Já o Golf convencional a combustível fóssil, importado por kr 180.624 (R$ 72.448), tem de pagar as taxas de peso, de CO² e NOx, mais 25% de VAT. Sai para o comprador por kr 298.300 (R$ 119.678).

Exemplo 2:

Um Audi A7, a gasolina ou diesel, é importado por kr 319.464 (R$ 128.232). Com todas as taxas, sai para o consumidor por mais do que o dobro: kr 697.300 (R$ 279.896).

Já um Tesla Modelo S, um elétrico puro equivalente em luxo e potência, é importado por kr 636.000 (R$ 255.226), chegando à concessionária por apenas kr 638.400 (R$ 256.189).

NÚMEROS

Mas os números divulgados no último dia 3 pela associação empresarial OFV (Conselho Informativo do Tráfego Rodoviário, na tradução do norueguês) podem não ser precisos.

Ao anunciar que os veículos de baixo carbono representaram 52,2% das vendas totais do país em 2017, a OFV incluiu na conta os elétricos puros (20,9%), os híbridos com motores elétricos plug-in, ou seja, que podem ser conectados a um eletroposto (18,4%), e os híbridos cujos motores elétricos não podem ser conectados (12,8%).

O respeitado Instituto Internacional de Energia (IEA), órgão de pesquisa vinculado aos países da OCDE, tem uma metodologia diferente.

Seus pesquisadores excluem da conta os híbridos não plug-in, chegando a um resultado para as vendas de elétricos/híbridos que ainda não ultrapassou os simbólicos 50% do mercado.

Segundo o IEA, em 2016 as vendas de elétricos/híbridos na Noruega corresponderam a 29% do mercado local (e não a 40%, como diz a OFV) e, em 2017, a 39% (e não a 52%).

Ainda assim, tal desempenho garante ao país nórdico a liderança mundial isolada na corrida pela mobilidade sustentável, muito à frente de qualquer outro como proporção do mercado local.

Em 2016, segundo o IEA, os primeiros colocados no ranking de participação de elétricos e híbridos plug-in sobre as vendas totais de veículos de cada país eram os seguintes:

País              Elétricos/híbridos plug-in no mercado local

Noruega                                              28,76%;
Holanda                                                6,39%:
Suécia                                                    3,41%;
França                                                   1,46%;
Reino Unido                                         1,41%;
China                                                     1,37%;
Estados Unidos                                   0,91%;
Alemanha                                             0,73%;
Canadá e Japão                                   0,59%.

Fonte: Global EV Outlook 2017/OECD/IEA. Dados de 2016
Pequim instala 112 mil postos para carga de veículos elétricos
PREVIOUS POST
Vendas de veículos elétricos triplicaram no Brasil em 2017
NEXT POST

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *