2017 dezembro

28 dezembro 2017
Comentários 0

Estradas solares pavimentam a mobilidade elétrica do futuro

28 dezembro 2017, Comentários 0

No mundo emergente da mobilidade sustentável, as ideias não param de brotar. Uma das mais engenhosas são as estradas, ruas e avenidas solares. Na França, Estados Unidos, China e outros países, projetos de vias equipadas com painéis fotovoltaicos poderão abastecer veículos elétricos, em recargas sem fio, e até bairros inteiros. FRANÇA A França saiu na frente há exatamente um ano, ao inaugurar a primeira estrada solar do mundo na Normandia, no dia 22 de dezembro de 2016 (foto acima). A Wattway, na cidadezinha de Tourouvre-au-Perche, tem extensão de 1 km, recoberto por 2.400 m² de painéis solares, ao custo de 5 milhões de euros (R$ 19,8 milhões). As placas fotovoltaicas foram desenvolvidas pela empresa Colas, uma divisão do grupo francês de telecomunicações Bouygues. São revestidas de uma resina contendo lâminas de silício e têm aderência similar ao asfalto. Segundo o fabricante, podem resistir ao calor, à chuva e à neve. O trecho solar corre em paralelo à faixa de asfalto comum e será testado por dois anos, com tráfego estimado de dois mil veículos/dia. O objetivo inicial não é exatamente recarregar veículos elétricos, e sim gerar energia para a iluminação pública da pequena cidade de 3.400 habitantes. Na inauguração, a então ministra da Ecologia, Ségolène Royal, anunciou os planos do governo de construir 1 mil km de estradas solares nos próximos cinco anos. O projeto da Colas prevê abastecer 5 mil habitantes a cada quilômetro de estrada solar, em toda a França. CHINA A China também partiu para as estradas fotovoltaicas, mas com uma tecnologia diferente da francesa. A cidade de Jinan, capital da província de Shandong, está terminando a construção de uma rodovia de 2 km com painéis solares recobertos por um tipo de concreto transparente. A tecnologia empregada protege os painéis e permite a recarga sem fio dos veículos elétricos, enquanto rodam sobre o piso. O pavimento tem três camadas: o concreto, os painéis solares, logo abaixo, e uma base de contato com o solo. Foi projetado para suportar o peso de automóveis e caminhões leves. A estrada solar de Jinan foi precedida por uma experiência-piloto numa rua de pouco movimento da cidade, inaugurada em setembro. HOLANDA Vários países testam diferentes tipos de superfície a céu aberto. Na Holanda, por exemplo, funciona desde 2014 uma ciclovia solar de 70m. A Solar Road liga dois bairros de Amsterdã (Krommenie e Wormerveer) e tem um tráfego diário de dois mil ciclistas, a maioria estudantes. A experiência superou a expectativa do TNO (instituto holandês de pesquisa aplicada), idealizador do projeto. Em apenas seis meses, os 70m da Solar Road produziram mais de 3 mil kw/h, capazes de garantir energia a uma pequena casa por um ano, segundo o instituto. ESTADOS UNIDOS Em 2014, um casal de engenheiros da cidade de Sandpoint, no estado de Idaho, a noroeste dos Estados Unidos, lançou uma campanha de levantamento de fundos na internet para financiar projetos de painéis solares. Julie e Scott Brusaw, fundadores da Solar Roadways, publicaram um divertido vídeo no YouTube, que rapidamente […]


27 dezembro 2017
Comentários 0

2018 pode ser o ano da mobilidade elétrica no Brasil

27 dezembro 2017, Comentários 0

As notícias vêm de várias fontes e convergem para a mesma conclusão: 2018 tem tudo para ser o grande ano da mobilidade elétrica no Brasil. Há bons motivos para otimismo. Os mais importantes são a revolucionária licitação do transporte público municipal de São Paulo e as novas redes de eletropostos que serão inauguradas nas estradas paulistas. Há ainda o interesse das indústrias automobilísticas, que acordaram para a mobilidade elétrica e preparam vários lançamentos de veículos movidos a energias renováveis. Confira: 1-LEI DO CLIMA A nova lei de mudança do clima aprovada na Câmara Municipal de São Paulo, no dia 14 de dezembro, fixa metas rigorosas de controle de poluentes da frota de ônibus da cidade. Entre elas, estão o corte de 50% de gás carbônico (Co²) em dez anos e emissão zero de todos os gases poluentes em 20 anos – o que inclui também os óxidos de nitrogênio (NOx) e os materiais particulados (MP). Essas metas podem significar a troca de 3.500 a 6 mil ônibus ônibus a diesel por veículos elétricos ou híbridos em uma década. A frota total tem 15 mil ônibus. A lei também estabelece limites equivalentes para os caminhões que transportam frutas e verduras para o Ceagesp, para os motoristas de táxi e até para os ônibus intermunicipais. Determina ainda a volta da inspeção veicular para os automóveis – mas essa parte deverá ser vetada pelo prefeito João Doria. A Prefeitura argumenta que tal medida não pode valer para apenas uma cidade do Estado, como foi no passado, sob pena de provocar uma evasão de licenciamento de veículos para as cidades vizinhas. 2-LICITAÇÃO Em paralelo com a nova lei do clima, a Prefeitura de São Paulo acaba de lançar o longamente aguardado edital para a licitação que renovará os contratos com as empresas de ônibus. A grande novidade são as metas ambientais – as mesmas da legislação aprovada na Câmara. A rigor, ainda mais rígidas. O edital, por exemplo, divulgou uma tabela de 20 anos (abaixo) com as metas de controle de Co², NOx e MP que devem ser cumpridas por cada uma das empresas de ônibus, ano após ano. Essas metas só poderão ser atingidas se as empresas adotarem um programa arrojado de conversão dos veículos a diesel por elétricos ou híbridos. A licitação, aliás, dará incentivos econômicos a quem antecipar as metas. Confira a tabela: Ano           MP           NOx           CO2 0                 0,0%          0,0%           0,0% 1                  24,8%       20,5%          13,6% 2                 33,9%        27,5%          15,3% 3                 39,1%         32,1%          18,0% 4                 61,7%         53,2%          31,7% 5      […]


26 dezembro 2017
Comentários 0

China lança primeiro navio de carga movido a eletricidade

26 dezembro 2017, Comentários 0

A China deu mais um passo em seu programa de eletrificação dos transportes ao lançar, em novembro, o primeiro navio de carga totalmente movido a bateria. Segundo o jornal “China Daily”, o barco tem 70,5 m de comprimento e capacidade para transportar até duas mil toneladas de carga, à velocidade máxima de 12,5 km/h. É movido a baterias de lítio de 2.400 KW/h, que permitem autonomia de 80 km. A recarga demora duas horas  – tempo médio de desembarque das mercadorias. Foi construído pelo estaleiro Guangzhou Shipyard International Company, na capital da importante província de Guandong, no sul do país. Ironicamente, o primeiro cargueiro do mundo com emissão zero de poluentes começou sua operação comercial transportando carvão para geração de eletricidade. Ele está em fase de testes numa rota no Rio das Pérolas, ao longo das ilhas da região de Nansha, um dos distritos da cidade de Guangzhou. Segundo a Hangzhou Modern Ship Design & Research Co – empresa que projetou a embarcação -, o resultado dos testes permitirá em breve construir navios elétricos de passageiros com a mesma tecnologia.


21 dezembro 2017
Comentários 0

Empresas terão incentivo para antecipar metas ambientais

21 dezembro 2017, Comentários 0

O secretário municipal de Transportes de São Paulo, Sergio Avelleda, disse nesta quinta-feira (21) que o novo edital sobre a frota de ônibus da cidade prevê incentivos às empresas que anteciparem as metas ambientais fixadas. Haverá um estímulo às empresas que acelerarem a troca dos ônibus a diesel por veículos elétricos, híbridos ou movidos por outras tecnologias de baixo carbono (combustíveis não fósseis). O estrito cumprimento das metas de redução de poluentes será um dos fatores de remuneração dos operadores, explicou o secretário, em entrevista coletiva na Prefeitura. Avelleda fez uma exposição sobre as principais características do conjunto de editais lançados a consulta pública nesta quinta. Também participaram da entrevista o secretário municipal da Fazenda, Caio Megale, o presidente da SP Trans, José Carlos Martinelli, e vários técnicos e dirigentes da equipe de Avelleda. Os documentos estão disponíveis no site da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes, e poderão receber críticas e sugestões por um período de 45 dias, até 3 de fevereiro (e não 19/2, como divulgado anteriormente). O edital regularizará a situação dos 14.400 ônibus que operam na cidade e transportam diariamente quase 10 milhões de passageiros. Os contratos entre as empresas de transporte e a Prefeitura expiraram em 2013 e vinham sendo renovados em caráter precário desde 2014. NOVIDADES Veja as principais novidades do edital: 1-A Taxa Interna de Retorno (TIR) das empresas de ônibus foi fixada em 9,85% ao ano; é um índice inferior aos 9,97% previstos no edital de 2015, ainda no governo Fernando Haddad (que não foi posto em prática), e muito inferior aos 18% dos atuais contratos emergenciais. 2-O sistema de transportes da cidade será dividido em 29 lotes, e não mais em 22, como nos atuais contratos; haverá, portanto, mais opções para as propostas das empresas interessadas. 3-A oferta média de lugares por veículo deverá subir dos atuais 76 para 90. 4-O sistema será dividido em três eixos: Estrutural (grandes corredores e avenidas, servidos por veículos de até 23 m, articulados), Articulação Regional (veículos médio, de ligação entre os bairros e os corredores) e Distribuidor (pequenos ônibus, para curtas distâncias dentro dos bairros). Hoje, o sistema é dividido apenas em Estrutural e Local. 5-O custo total anual do sistema será de R$ 7,8 bilhões, inferior aos R$ 8 bilhões atuais; o subsídio anual pago pela Prefeitura continuará; ele foi fixado em R$ 2,1 bilhões para 2018, segundo o orçamento aprovado na semana passada na Câmara Municipal. 6-Avelleda confirmou que o preço das passagens aumentará em 2018 (hoje, elas estão congeladas em R$ 3,80 desde janeiro de 2016). Mas evitou fazer qualquer comentário sobre qual será o futuro valor. 7-Os novos ônibus do sistema deverão ser dotados de vários equipamentos, como: ar condicionado, wi-fi, acessibilidade completa, câmeras, painel de controle do motorista, telemetria obrigatória, tomadas USB, entre outros. 8 – O edital fixa meta de 75% dos lugares oferecidos pela frota com ar condicionado até 2020. E de 85% até 2022. 9 – O edital incorpora todas as metas de redução de poluentes […]


21 dezembro 2017
Comentários 1

Edital de SP abre caminho para os ônibus elétricos e híbridos

21 dezembro 2017, Comentários 1

O edital que renovará os contratos dos ônibus da cidade de São Paulo fixa metas inéditas de redução de poluentes e abre caminho para a troca da atual frota a diesel por veículos elétricos e híbridos. O conjunto de documentos divulgados nesta quarta (20/12) pela Secretaria Municipal de Transportes fixa prazo de 20 anos para a frota zerar todas as emissões de poluentes e gases do efeito estufa. O item 3.39 do edital do Grupo Estrutural do sistema de transporte diz que os futuros contratos deverão seguir a lei ambiental do município – recentemente alterada pela Câmara Municipal (PL 300). O item 3.39.1 segue a nova lei e fixa prazo de dez anos para a redução pela metade das emissões de gás carbônico (CO²), de 90% para material particulado (MP) e de 80% para os óxidos de nitrogênio (NOx). Diz o texto: “3.39.1. A concessionária deverá atualizar a frota, gradativamente, ao longo dos primeiros 10 (dez) anos da vigência deste contrato para atendimento aos requisitos de redução de emissões diretas de gases poluentes, de forma a atingir até o final deste, a redução mínima de 50% (cinquenta por cento) de dióxido de carbono (CO2), de 90% (noventa por cento) de material particulado (MP) e de 80% (oitenta por cento) de óxido de nitrogênio (NOx)”. Em seguida, o item 3.39.1.1 estabelece um prazo de quatro meses (120 dias) para a empresa concessionária apresentar à Prefeitura um cronograma de conversão de frota de modo a atender às metas ambientais. Em 20 anos, as frotas de cada concessionária deverão zerar as emissões de CO², material particulado e NOx, conforme a seguinte tabela: Ano           MP           NOx           CO2 0                0,0%        0,0%          0,0% 1                24,8%      20,5%        13,6% 2                33,9%       27,5%        15,3% 3                39,1%       32,1%         18,0% 4                61,7%       53,2%        31,7% 5                78,8%      68,3%        38,1% 6                82,6%      73,2%        44,9% 7                85,3%      77,9%        47,7% 8                87,6%       84,3%        48,7% 9               90,3%      89,7%         50,4% 10             90,8%     90,2%          55,3% 11              91,3%      90,7%         60,3% 12             91,7%       91,3%         65,3% 13             92,2%      91,8%    […]


1 2 3 ... 5 Próximo