Piauí inaugura a maior usina de energia solar da América Latina

A Enel Green Power inaugurou no dia 28/11, no sertão do Piauí, a maior usina de energia solar da América Latina, com capacidade instalada de 292 MW e potencial para produzir até 600 GWh/ano.

O Parque Solar Nova Olinda, em Ribeira do Piauí (a 380 km de Teresina), produzirá eletricidade suficiente para abastecer uma cidade de mais de um milhão de habitantes.

O investimento de R$ 980 milhões (US$ 300 milhões) consolida a posição do grupo Enel – empresa de capital italiano – como a principal produtora de energia fotovoltaica do Brasil.

O cenário em Ribeira do Piauí impressiona (foto). São 930 mil painéis solares montados numa área de 690 hectares, o equivalente a 700 campos de futebol.

A construção durou 14 meses. No auge, o canteiro de obras mobilizou 1.400 trabalhadores. Os painéis são da chinesa Jinko Solar.

O parque fica numa área de comunidades quilombolas, próxima ao Parque Nacional da Serra da Capivara.

A energia produzida, equivalente ao consumo anual de 300 mil famílias, será injetada no sistema elétrico brasileiro.

Sua operação evitará o lançamento na atmosfera de 350 mil toneladas anuais de CO² (dióxido de carbono, um dos gases do efeito estufa).

BAHIA

A Enel também opera outras três usinas de energia fotovoltaica no interior da Bahia, onde produz eletricidade suficiente para abastecer 540 mil casas por ano.

Juntos, os dois parques baianos da Lapa (158 MW), mais o de Ituverava (254 MW) e o de Horizonte (103 MW, este ainda em construção) produzirão mais de mil GWh/ano só de energia solar.

A empresa também atua em energia eólica e hidrelétrica.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, o Brasil já tem capacidade instalada para ser o quinto maior produtor mundial de energia solar em 2018.

Estudo da consultoria Bloomberg New Energy Finance aponta que o custo de produção de eletricidade fotovoltaica (painéis solares)  já caiu para 25% do valor de 2009, e cairá mais 66% até 2040.

Vereador cobra rapidez na licitação do transporte em SP
PREVIOUS POST
ABVE defende cronograma do MDIC para o Rota 2030
NEXT POST

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *