Mundo poderá ter 280 milhões de carros elétricos em 2040

A frota de carros elétricos no mundo saltará dos atuais dois milhões de veículos (2016) para 280 milhões em 2040, segundo relatório divulgado no dia 22/11 pela Agência Internacional de Energia (IEA).

O World Energy Outlook 2017 prevê que o aumento exponencial dos veículos elétricos será o resultado direto dos investimentos crescentes em produção de eletricidade a partir de fontes renováveis.

Segundo o IEA, 2016 foi o ano em que, pela primeira vez na história econômica, os investimentos globais em geração de eletricidade superaram os de produção de petróleo e gás.

Essa tendência deverá continuar pelos próximos anos e mudar a face da indústria de energia e do mercado de bens de consumo.

Frota mundial de carros elétricos (2016 a 2040): crescimento exponencial em 20 anos

O aumento da frota mundial de veículos elétricos nos próximos 23 anos será puxado principalmente pela China, Europa e Índia, com os Estados Unidos em quarto lugar.

Só a Índia, com sua população de 1,3 bilhão de habitantes, será responsável por nada menos do que 30% do aumento previsto na demanda global de eletricidade até 2040.

Apesar da modesta participação da América Latina nas projeções totais, o relatório destaca a posição do Brasil como grande produtor de energias renováveis em geral, e não apenas nas usinas elétricas.

“No Brasil, a participação direta ou indireta de fontes renováveis no consumo final de energia aumenta de 39% hoje para 45% em 2040, comparada a uma progressão global que parte de 9% para 16% no mesmo período”.

Já no caso da China, as projeções indicam o começo de uma fase de estabilidade econômica.

A previsão é um crescimento da demanda total de energia do país em torno de apenas 1% ao ano até 2040, em vivo contraste com os 8% médios anuais do período 2000/2012.

AINDA NÃO

Mas o World Energy Outlook 2017 adverte que “ainda é cedo para escrever o obituário do petróleo”.

As projeções indicam que a demanda por petróleo cru ainda será crescente nos próximos 25 anos, embora a taxas bem mais modestas do que nas décadas passada, até recuar definitivamente.

O relatório destaca que, enquanto o mundo se desloca para as energias renováveis, os Estados Unidos se preparam para assumir a liderança da produção de energias fósseis.

Esse polêmico protagonismo será possível graças principalmente à recente (e economicamente viável) tecnologia de extração de petróleo e gás do xisto.

Por volta de 2020 – diz o IEA -, a “shale revolution” fará dos Estados Unidos não apenas o maior exportador mundial de gás, mas também exportador líquido de petróleo.

Ou seja: exportará mais do que importa, invertendo uma tendência histórica que terá profundas consequências econômicas e geopolíticas.

O relatório conclui: “os consumidores mundiais ainda não estão prontos para dizer ‘adeus’ à era do petróleo”.

Câmara prepara-se para votar nova lei de mudança do clima
PREVIOUS POST
Nova lei ambiental será votada este ano, diz líder do governo
NEXT POST

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *