‘O combate à poluição do ar começa no transporte público’

A médica e pesquisadora Evangelina Vormittag (foto) tornou-se personagem obrigatória no debate científico sobre qualidade de vida em São Paulo.

Ela não tem dúvida em afirmar que o combate à poluição atmosférica começa com a mudança da matriz energética dos 15 mil ônibus paulistanos.

“É importante combater a emissão de poluentes a partir do diesel do transporte público, substituindo por combustíveis mais limpos e renováveis”, disse Evangelina, em entrevista à revista “Apartes”, da Câmara Municipal de São Paulo (íntegra).

“A responsabilidade sobre a má qualidade do ar nas cidades se deve muito mais à mobilidade urbana do que às indústrias, que saíram das cidades, e a solução vai muito além de só plantar árvores”.

Em outras palavras, só uma política ativa de troca dos combustíveis fósseis por energias limpas no transporte permitirá diminuir o impressionante número em torno de 5 mil mortes anuais em São Paulo atribuíveis diretamente à poluição.

SUSTENTABILIDADE

Fundadora do Instituto Saúde e Sustentabilidade, Evangelina forma hoje, com o professor Paulo Saldiva, da USP, a dupla de pesquisadores mais conceituada do Brasil sobre os efeitos da poluição do ar na saúde pública.

Ela tem sido presença constante nas audiências promovidas pela Câmara Municipal para reformar a Lei de Mudança do Clima de São Paulo (Leio 14.933/2009) e nos debates sobre a próxima licitação dos ônibus.

Seu mais recente estudo, lançado em maio em parceria com o Greenpeace, aponta que o fim do diesel nos ônibus de São Paulo, com a adoção de veículos elétricos ou híbridos até 2020, evitaria mais de 12 mil mortes até 2050.

É também uma crítica severa dos critérios adotados pela Cestesb, a empresa de gestão ambiental do Governo de São Paulo, para medir a poluição no Estado.

Lembra que o limite de alerta de poluição do ar da legislação paulista – 240 microgramas de material particulado por metro cúbico de ar – está muito acima do teto da Organização Mundial de Saúde (50 microgramas).

E AQUI?

Citou o exemplo recente de Paris, que entrou em estado de alerta em dezembro de 2016, depois de um índice recorde de poluição de 146 microgramas/m³ no dia 1º daquele mês.

“Em Paris, quando a poluição chegou a 100 microgramas, o governo local proibiu o tráfego no centro, disponibilizou entrada franca no metrô e suspendeu as aulas naquele dia”.

E no Brasil?

A resposta é irônica. “Alguém já ouviu que o nível de poluição do ar está em alerta no nosso País?”

Licitação dos ônibus sai até 15 de dezembro, diz Avelleda
ANTERIOR
Comitê do Clima homenageia Volf Steinbaum nesta terça, 31
PRÓXIMO

Comente

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *