Ibope aponta queda na avaliação do transporte em SP

Pesquisa realizada pelo Ibope entre agosto e setembro deste ano apontou uma sensível queda na avaliação da qualidade do transporte público em São Paulo, em relação a 2016.

A pesquisa foi encomendada e divulgada no último dia 4/10 pela Rede Nossa São Paulo e pela Cidade dos Sonhos, duas organizações muito críticas da atual administração do prefeito João Doria.

Segundo os organizadores, todos os principais itens, avaliados com notas de 1 a 10, tiveram os piores resultados em uma década, ou seja, desde o início da série histórica.

A Pesquisa de Mobilidade Urbana 2017 (íntegra aqui) entrevistou 1.603 paulistanos com pelo menos 16 anos, entre os dias 27 de agosto e 11 de setembro.

NOTAS

Os entrevistados deram nota 3,8 ao quesito “transporte público de uma maneira geral”, muito abaixo dos 5,1 de 2016, ainda sob a gestão do prefeito Fernando Haddad.

Este item, no entanto, inclui tanto os ônibus (administrados pela Prefeitura) quanto o metrô e os trens (pelo Estado).

Já o quesito “controle da qualidade do ar” ficou com apenas 2,8 (3,5 em 2016).

A pesquisa diz também  que 52% dos entrevistados “deixaram de visitar amigos e familiares” e “ir a parques, cinemas e outras atividades de lazer” por causa do preço das passagens.

A tarifa de ônibus e metrô está congelada em R$ 3,80 desde 9 de janeiro de 2016.

Ao mesmo tempo, 52% disseram que a lotação dos ônibus aumentou no período (36% disseram que ficou igual, 8%, que diminuiu, e 4% não responderam).

Outros 61% discordaram do plano da Prefeitura de transferir a gestão do Bilhete Único para empresas privadas (31% aprovaram e 9% não responderam).

Já o aumento da velocidade nas marginais – uma das primeiras medidas adotadas pelo atual prefeito – foi aprovado por 56% (38% foram contra e 5% não responderam).

MUDANÇAS

Os números foram divulgados no momento em que a Câmara Municipal e a Prefeitura debatem importantes mudanças no sistema de transporte público.

Na Câmara, os vereadores devem votar até o fim de outubro uma reforma da Lei de Mudança do Clima de São Paulo (Lei 14.933/2009).

O ponto central é se o novo texto vai afrouxar ou apertar os controles sobre a poluição do ar causada por ônibus, carros e caminhões.

Ao mesmo tempo, a Secretaria de Transportes da Prefeitura (SMT) prepara-se para lançar, até o final do ano, um edital para renovar os contratos com as empresas que operam os 15 mil ônibus que circulam na cidade.

Esses contratos venceram no final de 2013 e têm sido prorrogados em caráter precário desde aquela época.

Também no edital, os itens mais sensíveis devem ser os limites de emissão de poluentes e as regras de conversão da frota a diesel para combustíveis renováveis (motores elétricos, híbridos, a gás ou biodiesel).

Para Jorge Abrahão, coordenador da Rede Nossa São Paulo, a pesquisa permitiria concluir que a população avalia negativamente os efeitos da mudança de gestão no transporte.

“O que gente percebe na pesquisa é que há uma descontinuidade do que vinha ocorrendo nos últimos anos” – sustentou Abrahão.

AUDIÊNCIA

Os resultados da pesquisa serão objeto de audiência pública na Câmara Municipal, no dia 11 de outubro, às 12h, no 8º andar (Viaduto Jacareí, 100, Bela Vista).

A audiência foi convocada pela Comissão de Trânsito, Transporte, Atividade Econômica, Turismo, Lazer e Gastronomia, presidida pelo vereador Senival Moura (PT).

Madri contrata seus primeiros ônibus totalmente elétricos
PREVIOUS POST
Novo caminhão elétrico da Tesla fica para novembro
NEXT POST

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *